31 de Janeiro, 2022

Com autorização da Anatel, Elon Musk oferecerá internet via satélite no Brasil

Com autorização da Anatel, Elon Musk oferecerá internet via satélite no Brasil

Concessão possibilitará que o governo conecte áreas remotas da Amazônia, além de monitorar incêndios e desmatamentos na região.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou a concessão do direito de exploração comercial de satélite estrangeiro não-geoestacionário de baixa órbita para a Starlink.

A empresa faz parte do sistema de satélites da SpaceX, pertencente a Elon Musk, e terá a autorização até 2027. Com isso, o grupo irá oferecer seu serviço de satélite por todo país.

Em relação a oferta final de banda larga aos usuários, a Anatel afirmou que as empresas autorizadas a contratar a capacidade  da rede de satélites poderão realizar os serviços por todo o território nacional. Além disso, também haverá a possibilidade de o grupo econômico obter êxito para ingressar nesse mercado.

"É do interesse da empresa o provimento do acesso à internet para cliente distribuídos em todo o território brasileiro, o que certamente será bastante oportuno para escolas, hospitais e outros estabelecimentos localizados em áreas rurais e remotas", disse o conselheiro e presidente interino da agência, Emmanoel Campelo.

Inicialmente, a agência avaliou a concessão do direito de exploração até 2033, contudo, decidiu encurtar o prazo em virtude do “caráter pioneiro” do empreendimento, além de possíveis consequências que o órgão ainda não pode diagnosticar.

Vale ressaltar que a Starlink não terá direito à proteção. Dessa forma, a empresa não poderá reclamar em caso de outros serviços interferirem seu sinal.

Plano do Governo

O governo brasileiro já desejava conceder o direito de exploração à empresa de Musk. O ministro das Comunicações, Fábio Faria, havia se reunido com o empresário, em novembro de 2021, para discutir uma possível parceria entre ambos.

Isso ocorreu pois o governo brasileiro tem a intenção de utilizar os satélites da Starlkink para levar internet de alto desempenho para a região amazônica, assim, conectando escolas, comunidades indígenas e unidades de saúde em áreas remotas, já que esses locais são mais difíceis para levar uma internet por fibra óptica, por exemplo.

Ademais, o ministro afirmou que a tecnologia também poderá ser usada para o país monitorar e preservar a floresta amazônica através do monitoramento via satélite. O intuito do governo é acabar com os desmatamentos ilegais e incêndios que ocorrem na região.

Fonte: Assessoria Prosper Capital com informações de G1

Imagem: Freepik - Background photo created by rawpixel.com