27 de Setembro, 2021

Edital do leilão 5G é publicado pela ANATEL

Edital do leilão 5G é publicado pela ANATEL

Hoje (27), A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou o edital de licitação do 5G, processo que expandirá a próxima geração de internet móvel, trazendo mais qualidade e alta velocidade.

Na última sexta-feira, após uma reunião extraordinária, a agência já havia aprovado a última versão do edital e confirmado o leilão para o dia 4 de novembro. Além disso, as empresas que tiverem interesse em participar do processo deverão apresentar suas propostas até o dia 27 de outubro.

Dos valores arrematados no leilão, R$ 10,6 bilhões devem ser pagos pelos ganhadores do leilão para poderem explorar comercialmente com a nova tecnologia – este processo também é conhecido como pagamento das outorgas.

Este valor, será repassado aos cofres públicos, enquanto o valor restante (Cerca de R$ 39,1 bilhões) será utilizado pelas empresas que obtiverem a licença para cumprir as metas previstas no edital. Segundo a Agência, o processo deverá arrecadar R$ 49,7 bilhões.

Ademais, a previsão é que as atividades com a utilização da nova tecnologia comecem até julho do ano que vem, com início nas capitas dos estados.

Como funcionará o leilão?

O leilão do 5G disponibilizará às operadas quatro faixas de frequência para ofertaram os serviços de internet com a nova tecnologia, sendo elas 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz.

Ademais, segundo o edital, para cada uma das faixas ofertadas, algumas contrapartidas terão que serem arcadas com as empresas que lideraram as ofertas. Definidas pelo Ministério das Comunicações, as companhias terão que serem responsáveis pelos seguintes aspectos:

As companhias serão responsáveis por levar internet com a tecnologia anterior, ou seja, o 4G, para todas rodovias federais; deverão disponibilizarem o 5G nas capitais brasileiras até julho do ano que vem; para obterem a liberação da faixa de 3,5GHz, as empresas terão que migrar os sinais da TV parabólica; levar internet móvel de alta velocidade para às escolas pública de ensino básico; arquitetar uma rede privativa de comunicação para a administração federal; e por fim, as operadoras vencedoras do leilão deverão instalarem uma rede de fibra óptica fluvial na região amazônica.

Fonte: Prosper Capital com informações de G1, Tele Síntese e Governo do Brasil

Imagem: Freepik