02 de Setembro, 2021

Pressa por leilão pode atrapalhar os provedores regionais, aponta o consórcio 5G Brasil

Pressa por leilão pode atrapalhar os provedores regionais, aponta o consórcio 5G Brasil

O conglomerado de ISPs divulgou um comunicado repudiando a aceleração para concluir o leilão, deixando de lado os provedores regionais.

O consórcio 5G Brasil, grupo que conta com cerca de 400 provedores de internet no país, avaliou negativamente a precipitação para concluir o leilão do 5G.

Para os membros da iniciativa, o edital do projeto deve ser alterado urgentemente a fim de salvaguardar o mercado para atuação das empresas nacionais.

Além da competitividade, o grupo alerta que se trata também de soberania tecnológica e segurança nacional. Conforme exposto pelo consórcio, em nota divulgada nesta quarta-feira, 1º de setembro, as alterações são extremamente necessárias e pontuais para que os provedores regionais possam participar do processo.

De acordo com o grupo, aceleração do processo do leilão, a ser realizado ainda em Setembro, por parte do ministro das Comunicações, Fabio Faria, que não alterou, de maneira substancial, o edital conforme apontou e estabeleceu o Tribunal de Contas da União (TCU), pode ter como consequência a dificuldade na implementação do 5G nas cidades do interior e inviabilizar a participação das empresas provedoras brasileiras no leilão.

Ainda assim, a nota divulgada também explicou que, por vezes, as grandes empresas multinacionais não têm o interesse de instalarem internet pelo interior do país, devido ao custo-benefício da implementação. Dessa forma, a dificuldade para o 5G chegar nessas cidades será um problema, tendo em vista que as normas atuais do leilão dificultarão a exploração pelos provedores regionais.

Pedido de mudança

A solicitação do grupo, conforme divulgado em nota, é a alteração no modo como estão dispostas as frequências. Nesse sentido, o consórcio diz que o leilão é inviável para novos entrantes, ou seja, apenas as empresas multinacionais terão suas participações asseguradas.

“Dessa forma, o 5G Brasil pleiteia a possibilidade de participação no leilão por meio de uma licença nacional e, alternativa ou concomitantemente, a participação no leilão das bandas de 700 MHz", complementou o comunicado.

O conglomerado de empresas também salienta a importância, tanto social, como também econômica, dos provedores de internet no país.

O consócio lembra que “ainda há tempo” para não repetir os mesmos erros que ocorreram na implementação do 4G, quando demorou cerca de sete anos para que a tecnologia chegasse ao interior, comparadas às grandes cidades, devido a falhas na concessão.

Fonte: Assessoria Prosper Capital, com informações Teletime.

Imagem: Freepik