14 de Fevereiro, 2022

StartSe adquire CapTable

StartSe adquire CapTable

No fim de 2021, a empresa já havia recebido o investimento de R$ 75 milhões do fundo Pátria Investimentos.

A StarSe,empresa de educação expert no ecossistema de tecnologia, comunicou a compra da CapTable, plataforma especializada em angariar recursos para startups. O valor da transação não tenha sido divulgado, contudo, a empresa assumirá o controle da plataforma. Vale lembrar que, em maio de 2021, a companhia educacional já havia adquirido 40% da plataforma.

A CapTable iniciou suas atividades em 2019, selecionando startups e conectando-as com investidores, fundos e corporações que desejam aportar nesses negócios.

A plataforma já viabilizou cerca de 5,6 mil investimentos, totalizando mais de R$ 65 milhões investidos em empresas. Dentre as companhias investidas, estão a Umbler, Hiberdados e Eirene Solutions, Alterbank, Livima, Trashin, Paify.

No ano passado, a ferramenta foi a maior captadora de recursos via crowd equity no Brasil. Nesse sentido, a empresa levantou R$ 49,56 milhões para 29 startups brasileiras, ou seja, 39,84% do total levantado durante o período.

“O mercado de venture capital está mais aquecido do que nunca, já tendo superado os investimentos de private equity aqui no país. Temos presenciado recordes sucessivos e, não à toa, temos hoje uma série de empresas de tecnologia listadas na Bolsa”, salienta o CEo e fundador da StartSe, Junior Borneli.

Além disso, o aporte de R$ 75 milhões feito pelo fundo Pátria Investimento possibilitou que a StarSe adquirisse a startup.

“Essa aquisição demonstra o apetite do Pátria Investimentos para esse mercado, além de fortalecer sua presença como um investidor de empresas da nova economia. Assim, passaremos a acompanhar de perto o pipeline de startups que passam pela plataforma”, explica o sócio do Pátria Investimentos, Gil Karsten.

De acordo com Karsten, a operação junto a CapTable também traz um potencial estratégico para outros investidas do fundo, permitindo que as soluções elaboradas pelas startups sejam utilizadas em suas operações.

Com o investimento recebido, a CapTable irá desenvolver tecnologia proprietária de forma mais eficaz à fim de acelerar as conexões entre os participantes da plataforma.

Em suma, caso a atualização da Lei 588 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) seja confirmada, a startup deve promover uma captação de recursos para si mesma, de forma pulverizada.

Fonte: Assessoria Prosper Capital com informações do Baguete

Imagem: Pexels