09 de Novembro, 2021

StartSe recebe aporte de R$ 75 milhões da investidora Pátria

StartSe recebe aporte de R$ 75 milhões da investidora Pátria

A plataforma de educação digital StartSe recebeu um investimento no montante de R$ 75 milhões da gestora de recursos Pátria Investimentos. A empresa planeja destinar os recursos para aquisições estratégicas, tecnologia e marketing.

Atualmente, a Pátria detém em torno de US$ 15,8 bilhões (R$ 87,9 bilhões) sob gestão e investe em aquisições de participações minoritária em startups.

Segundo o sócio e diretor de private equity do Pátria Investimentos, Gil Karsten, o investimento feito na Startse faz parte dos planos da gestora em aumentar sua participação em empresas da nova economia.

Além disso, o líder da gestora de recursos afirmou que a operação foi vista como uma oportunidade de acelerar a transformação digital das demais empresas do portfólio da Pátria através do aumento da expertise da StartSe.

Vale ressaltar que a startup conta com escritórios em diversos lugares do mundo, como São Paulo, China, Portugal, Israel e no Vale do Silício (Estados Unidos). Ademais, a empresa planeja ampliar sua atuação na América Latina e alcançar o faturamento de R$ 150 milhões. Neste ano, a empresa deseja bater o faturamento de R$ 75 milhões.

"Com esse aporte, damos início a uma nova fase com a consolidação do que chamamos de ‘Educação do Agora’. Almejamos ainda uma rápida expansão para a construção de um ecossistema digital de transformação", relatou o fundador e presidente da StartSe, Junior Borneli.

Para o presidente do comitê estratégico da StartSe, Pedro Englet, o intuito da empresa é “construir uma plataforma para guiar líderes e empresas em seus processos de transformação constante, onde a educação é apenas o ponto de partida e o que alimenta todo o ecossistema. Nesse sentido, já vislumbramos alguns investimentos em empresas que podem somar e nos ajudar neste desafio".

Nos últimos meses, o Pátria procurou manter-se ativa em diversos setores.

Em setembro, a Pátria anunciou a fusão de suas operações com a Moneda Asset Management, gestora chilena. Já no último mês, a empresa anunciou a aquisição de duas empresas atuantes em cibersegurança, a Proteus e a Neosecure.

Ademais, uma das empresas investidas pelo Pátria, a Winity Telecom, arrematou o lote da frequência de 700MHz no leilão do 5G, realizado em novembro pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A proposta alcançou os valores de R$ 1,427 bilhão.

Conforme relatou a gestora, o arremate realizado no leilão permite que um plano de implementação de cobertura celular seja desenvolvido em modelo de atacado. Para isso, um investimento de cerca de R$ 2 bilhões deverá ocorrer, visando a instalação de mais de 5 mil torres de suporte às telecomunicações até o ano de 2029.

Fonte: Folha de São Paulo

Imagem: Freepik